Restaurante Rosa Celeste em Fortaleza – Vale conhecer? (FECHOU)

0
3520

Restaurante Rosa Celeste se apresenta como casa de gastronomia contemporânea e consciente com ambiente moderno e autoral 

O Rosa Celeste, inaugurado na segunda semana de janeiro de 2019, já era esperado para entrar na lista dos melhores restaurantes de Fortaleza. O histórico do chef Marco Gil, que traz na bagagem um trabalho marcado por criatividade ao utilizar ingredientes locais, já dava pistas sobre a nova casa. Não conseguimos esperar muito para conferir e combinamos com alguns leitores que participam do nosso grupo de whatsapp uma visita ao restaurante na sexta-feira seguinte ao dia de abertura. Chegamos cedo e tivemos a facilidade de escolher a mesa (quando saímos a casa estava lotada).

O Rosa Celeste é a perfeita expressão de que comida saudável é comida boa. Todo o menu é recheado de opções marcadas pelo uso de ingredientes locais e sustentáveis. Do café da manhã ao jantar, o local oferece opções capazes de gerar grande dúvida na primeira visita. Como nossa mesa era grande, pedimos diferentes pratos e foi possível ter uma visão geral.

O cardápio do Rosa Celeste inclui o máximo de ingredientes regionais e de produtores locais, como folhas, vegetais e ervas de Cascavel; frutas orgânicas certificadas de Mulungu; cogumelos shimeji branco e salmão de agricultura familiar de Guaramiranga, além de ovos caipiras, carneiro e cachaça de produtores de São Gonçalo do Amarante, tudo sem agrotóxicos.

Outro cuidado é o respeito às restrições alimentares, preferências e tendências, oferecendo opções para os diferentes grupos de consumidores. Todo o cardápio traz indicações de pratos Sem Farinha de Trigo (SG), Sem Leite e Derivados (SV), Vegetarianos (V) e Veganos (VV).

O que comemos

Para começar, uma porção de pipoca (R$ 6) com melaço de cana e flor de sal – o menu indicava a presença da pimenta Jiquitaia, mas passou despercebida ou era extremamente suave – já é uma boa recepção. O amendoim tostado com cominho, páprica e orégano (R$ 4) é uma boa para fazer par enquanto se escolhe a sequência.

“Pão com ovo”

Ainda nas entradas, o “pão com ovo caipira” (R$ 12) agrada quem gosta da combinação, ou não, pois é apresentado de uma forma diferente e surpreende. O pão, na verdade, vem em forma de farofa e o ovo como uma salada com aioli, molho de pimenta e ciboulette (a cebolinha francesa – mais fininha).

Tartar de Atum

Outra boa pedida foi o Tartar de Atum (R$ 28) com molho de maçã verde, rúcula, quinoa crocante e óleo de clorofila. Textura perfeita, molho combinando e o toque crocante completou a ótima sensação que o prato deixa.

Ceviche

Já o ceviche (R$ 30) traz leite de coco, pepino e amendoim tostado. O caldo estava perfeito, mas sentimos falta de um toque de sal no peixe. Eu comeria novamente, mas já pediria o sal logo para complementar. Aliás, o sal também faltou em outros pedidos como o Guacamole com sossego e chips de batata doce (R$ 22), no Tuna Slider (R$ 26) – sanduíche de atum e no Estadão Para Siempre (R$ 22) – sanduíche de copa-lombo. Não conversei com ninguém do restaurante, mas imagino que a proposta de ter menos sal entra na linha saudável da casa.

De prato principal, a cataplana estava com um caldo incrível, delicioso e bem temperado. O peixe veio numa textura espetacular e mexilhões também. No entanto, não podia errar na garfada: o peixe precisava entrar na boca obrigatoriamente com o caldo pois neste se encontrava todo o sabor do prato. A sensação era de que o pescado não havia sido temperado previamente e talvez o tempo no caldo fôra insuficiente para conferir mais sabor. O prato custa R$ 88 (serve até 3 pessoas que já tenham comido alguma entrada) e conta com arroz e baguete com aioli tostada de acompanhamentos.

Bowl Chef MG

Voltarei para comer – com certeza – os bowls, que são pratos mais diferentes dos que estamos habituados por aqui. Provamos o Chef MG (R$ 28), uma ótima e deliciosa opção vegana do menu. Noodles de arroz, cogumelos e brócolis salteados eram acompanhados de picles de cenoura, amendoim, tofu orgânico, vinagrete oriental, molho de pimenta e cheiro verde. Exemplo de equilíbrio perfeito no menu.

Bowl Papi Way

Já o Papi Way (R$ 32) entra na lista das opções sem glúten e lactose. Noodles de batata doce (transparentes) eram envolvidos com pedaços de contra-filé salteados com com pimentões, cebolas, espinafre, acelga, um magnífico caldo de cogumelos, vinagrete oriental e cheiro verde. Delicioso.

Bolo gelado

Por fim, as sobremesas. Das quatro que pedimos, destacamos apenas o Bolo Gelado em Camadas (R$ 18), que combina pão de ló, zabaione de abacaxi, parfait de maracujá e merengue.

No total, nossa conta deu R$ 517,50 para uma mesa de sete pessoas.

Nossa mesa formada no grupo de whatsapp dos leitores do Sabores da Cidade

Mais sobre o Rosa Celeste

O cardápio do Rosa Celeste inclui o máximo de ingredientes regionais e de produtores locais, como folhas, vegetais e ervas de Cascavel; frutas orgânicas certificadas de Mulungu; cogumelos shimeji branco e salmão de agricultura familiar de Guaramiranga, além de ovos caipiras, carneiro e cachaça de produtores de São Gonçalo do Amarante, tudo sem agrotóxicos.

Todo o cardápio traz indicações de pratos Sem Farinha de Trigo (SG), Sem Leite e Derivados (SV), Vegetarianos (V) e Veganos (VV). “Considero de fundamental importância apresentar uma proposta de menu que seja plural e inclusiva”, destaca Marco Gil.

Mais sobre o restaurante Rosa Celeste

Fruto da parceria entre os empresários André Oliveira, Heron Jatay e o Chef Marco Gil, o Rosa Celeste – Café – Restaurante – Lounge foi pensado para funcionar com uma proposta cativante para cada momento do dia, atendendo as expectativas dos clientes para qualquer uma das refeições – café da manhã, almoço, lanche ou café da tarde, jantar e happy hour.

O Rosa Celeste tem projeto arquitetônico diferenciado assinado pela Bravo Arquitetura Inteligente.O espaço é aberto para exposições itinerantes, abrindo a oportunidade para os frequentadores apreciarem o melhor das artes visuais contemporâneas. O primeiro artista a trazer seu talento premiado para o Rosa Celeste é o cearense Juca Máximo, cuja exposição fica em cartaz até o final de fevereiro. No total, são 14 obras, entre trabalhos inéditos e outros premiados internacionalmente. Destaque para uma obra em formato de painel, uma técnica mista em acrílico com dimensões de 3m por 4,5m, ocupando todo o pé direito duplo do restaurante.

Restaurante Rosa Celeste | Café-Restaurante-Lounge

Quartier Dumont Mall – Rua Prof. Dias da Rocha, 800 – Aldeota.
Funciona das 11h às 0h. Redes Sociais: @rosacelesterestaurante | Telefone: (85) 2180-4278.

Comentários

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui