Aposta mais audaciosa da Miolo ganha reconhecimento do INPI

0
467

Primeiros vinhos e espumantes Terranova com Selo IP Vale do São Francisco devem chegar ao mercado em 2023

Vinícola Terranova

A Miolo Wine Group é uma das marcas mais emblemáticas do vinho brasileiro. Referência mundial, ajudou a abrir as portas do país para o mercado externo, sendo case internacional com o maior e mais diverso portfólio de vinhos finos do Brasil. Pioneira na produção em diferentes terroirs do país, não apenas acreditou como também apostou no cultivo de uvas e na elaboração de vinhos, espumantes, suco de uva e destilados no sertão brasileiro. Instalada no município de Casa Nova (BA) desde 2001, a Vinícola Terranova – marca que a Família Miolo plantou no Vale do São Francisco -, brotou e hoje é sinônimo de vida, fruto da perfeita união entre a tradição Miolo e a tropicalidade do semiárido. Depois de brindar a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (DOVV) em 2012 e a Indicação de Procedência (IP) Campanha Gaúcha em 2020, o grupo celebra a conquista da Indicação de Procedência (IP) Vale do São Francisco. Agora, todas as regiões onde a Miolo produz são reconhecidas como Indicações Geográficas (IGs).

“O sonho da IP nasceu com a gente no Vale dos Vinhedos e se espalhou pela Campanha Gaúcha e pelo Vale do São Francisco. O caminho foi longo, mas o resultado é uma grande conquista para a vitivinicultura brasileira. Ao investir em terroirs tão diferentes, nunca tivemos dúvida de que cada um deles tem sua própria identidade, formando essa diversidade única que somente o Brasil oferece. Estamos muito felizes e certos de que esta IP vai garantir maior inserção dos produtos no mercado. O Selo é a segurança de que o consumidor irá encontrar o perfil qualitativo daquele terroir”, destaca Adriano Miolo, diretor superintendente da Miolo Wine Group.

Adriano ressalta, ainda, que o reconhecimento da aposta da vinícola feita há anos em uma região ainda a ser desbravada pela vitivinicultura e 100% única no mundo, além de agregar valor aos produtos, dá segurança ao consumidor que pode escolher rótulos certificados. A conquista valoriza as propriedades e cria uma unidade de estilo que reconhece a identidade do local. Em relação ao enoturismo e à venda dos produtos com o Selo, a expectativa é positiva, a exemplo do que vem ocorrendo com o Vale dos Vinhedos e a Campanha Gaúcha, diante do aumento da visibilidade.

Para entender a vitivinicultura do semiárido nordestino, a Miolo participou de um projeto de pesquisa de 5 anos que reuniu mais de 40 profissionais. O trabalho foi liderado pelo pesquisador Giuliano Elias Pereira, da Embrapa Uva e Vinho. A parceria realizada entre instituições de pesquisa, ensino e setor produtivo foi fundamental para aprimorar a qualidade produtiva da região e descobrir quais as variedades que mais se adaptam ao local. Particularidades ambientais, disponibilidade de infraestrutura de irrigação, investimento em desenvolvimento científico e tecnológico apropriado às condições locais, mapeamento das oportunidades de mercado e empreendedorismo da iniciativa privada permitiram a obtenção da IP pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

O grande diferencial da IP Vale do São Francisco é a localização geográfica – em zona tropical -, além de atender requisitos equivalentes aos da União Europeia em relação a área delimitada, produção de uva no local, tipos de vinhos, variedades de uvas autorizadas, produtividade controlada, padrões enológicos definidos, elaboração na região, qualidade analítica e sensorial, e o controle para atestar a conformidade dos vinhos. A IP protege vinhos originais de uma região com uma geografia particular. A paisagem vitícola é emblemática, com vinhedos irrigados pelas águas do São Francisco, com a caatinga e suas cactáceas no entorno e morros com formações geológicas que se destacam na planície.

Alimentados pelo Velho Chico, os vinhedos da Terranova, que ganharam raízes a partir de 2001, colorem e perfumam o ambiente que já foi sertão, transformando a paisagem do lugar. O primeiro vinho elaborado na região foi o Terranova Shiraz. A partir daí, a produção de espumantes foi intensificada, sobretudo com o Terranova Moscatel, espumante mais vendido da marca. De lá para cá, a empresa alcançou 200 hectares plantados e uma indústria com uma produção de 4,5 milhões de litros por ano. É lá que nasce o Testardi Syrah, o ícone do grupo no Nordeste, um dos Sete Lendários, que traz a máxima expressão da variedade em terras brasileiras. Com ele, o grupo mostra que é possível cultivar uvas e fazer um grande vinho neste local inóspito. Os vinhos que nascem desses vinhedos expressam um mundo particular e ao mesmo tempo tão diverso que é o nordeste brasileiro. Desta unidade, são elaborados todos os rótulos Terranova, além de alguns das marcas Miolo e Almadén.

Particularidades da IP

Os vinhos tropicais do Vale do São Francisco são, na sua maioria, jovens, frescos, aromáticos, frutados e florais, e estão disponíveis ao consumidor em qualquer época do ano. Mas também são elaborados vinhos de guarda e vinhos nobres, com colheitas de uvas em períodos específicos do ano. Em função do clima quente ao longo do ano, a produção se mantém de janeiro a dezembro, com duas podas e duas safras anuais, com possibilidades de colheitas escalonadas ao longo do ano nas diferentes parcelas de vinhedos.

Os tipos de produtos autorizados na IP são os vinhos tranquilos brancos, tintos e rosés e vinhos espumantes brancos e rosés (bruts, demi-secs e moscatéis), elaborados com 100 % de uvas produzidas na área geográfica delimitada. Foram autorizadas, para fins de elaboração dos vinhos, 23 cultivares de uvas Vitis vinifera L., indicadas pelos próprios produtores, pela adaptação e desempenho na região.

Brancas: Arinto, Chardonnay, Chenin Blanc, Fernão Pires, Moscato Canelli, Moscato Itália, Sauvignon Blanc, Verdejo e Viognier.

Tintas: Alicante Bouschet, Aragonês, Barbera, Cabernet Sauvignon, Egiodola, Grenache, Malbec, Merlot, Petit Verdot, Ruby Cabernet, Syrah, Tannat, Tempranillo e Touriga Nacional.

Miolo na Bahia

  • Capacidade anual de produção: 4,5 milhões de litros (2,5 milhões de litros para

espumantes e vinhos e 2 milhões de litros para destilar)

  • Vinhedos: 200 hectares
  • Variedades:

Brancas – Moscato Itália, Chenin Blanc, Verdejo, Sauvignon Blanc

Tintas – Shiraz, Cabernet Sauvignon, Grenache, Mourvedre e Tempranillo

  • Turismo: mais de 50 mil visitantes ano
  • Colheita mecanizada e manual

Comentários

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui