Crônica: Uma sexta-feira ímpar

0
1973
A Quitanda - https://saboresdacidade.com/aquitanda-gastrobar/
Silvio Queiroz

Por Silvio Queiroz
Especial para o Sabores da Cidade

Parecia ser uma sexta como tantas outras, dessa retomada do setor de bares e restaurantes, com uma boa expectativa do final de semana que se iniciava. Eis que o inesperado aconteceu, uma queda abrupta de energia durante o serviço do almoço, mais precisamente às 12h30. O serviço seguiu tentando manter a normalidade, mas logo a causa do apagão, se mostrou em forma de labaredas em um poste próximo com a fiação caindo ao longo da via.

Isso fez com que houvesse uma interrupção do serviço e uma longa espera se iniciou. Ficava claro que não seria um conserto simples, além do fornecimento da energia, também estava comprometido o fornecimento da internet.

E pela indefinição da retomada, formou-se um cenário que necessitava de tomadas de decisões rápidas e precisas. Uma situação dessas, além de comprometer o funcionamento da casa, em um dos dias mais movimentados, impacta também na gestão da equipe, uma vez que há mudança de turno no meio da tarde, contudo o ponto mais nevrálgico, em uma situação como essa, é o estoque refrigerado, neste caso, os freezers e refrigeradores, estavam repletos de insumos e pré-preparos para suprir todo o final de semana.

A Quitanda – https://saboresdacidade.com/aquitanda-gastrobar/

Não estávamos só nesse desafio, nossa vizinha e querida Culinária da Van também padecia das mesmas angústias. E, de lá veio a sugestão de alugarmos um gerador, pois já tinham providenciado um, e assim o fizemos, com previsão de instalação no final da tarde.

Fez-se então o levante e motivação da equipe para que tudo estivesse em ordem no início da noite. Claro que nada acontece com o rigor britânico, e assim a previsão de reestabelecimento que seria para às 17h30, se arrastou por mais duas horas.

Novo desafio à vista, deixar a casa aberta, ou só abrir após o início? Com os clientes chegando com a expectativa de usufruírem do cardápio, mas também, da promoção da caipirinha em dobro, na ausência de luz, íamos explicando a eles a situação ainda na calçada, mas todos entendiam e deixavam claro que estavam dispostos a esperarem acomodados nas mesas. Esse fluxo foi aumentando e de fato perdemos a noção de quantos já tinham adentrado e se acomodado. Nossa equipe de atendimento estava sempre atendendo, e deixando-os a par da situação. E, às 19h30, a energia proveniente do gerador, foi restabelecida.

Foi quando presenciamos uma cena inusitada e por que dizer não emocionante? No acender das luzes, nos deparamos com a casa totalmente ocupada em sua capacidade permitida e todos, devidamente acomodados, aplaudindo. Uma cena quase cinematográfica.

Claro, com a adrenalina do momento não nos demos conta de entendermos tudo aquilo, nossa pressa era em restabelecer o serviço e oferecermos uma rodada de caipirinha a todos e estender o horário da promoção até o final do noite. Mas, essa cena nos marcou, o que levou nossos clientes a essa espera incerta? Na verdade, não temos uma resposta, mas fica uma doce e romântica suspeita, de que, assim como nossos funcionários, eles também estão contaminados pelo sentimento “AQuitandar”, tão nosso, que procuramos disseminar no aconchego da casinha no pitoresco Benfica. E assim, vivemos uma noite de sexta ímpar…

Comentários

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui