Escola de Gastronomia Social conclui programa com a produção e entrega de 64 mil refeições

0
717

Com a produção e entrega de 64 mil refeições para comunidades vulneráveis, programa Cozinha Social conclui a formação da 1ª turma de empreendedores sociais e convida a sociedade civil a colaborar com a campanha Fortaleza sem Fome

Após completar um ano no Brasil, a pandemia da Covid-19 continua e se apresenta mais grave, impactando vidas e acentuando as desigualdades sociais. Dados da FGV Social apontam que cerca de 12,8% dos brasileiros estavam na linha da pobreza em janeiro deste ano. Diante desse contexto, a Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco (EGSIDB), instituição da Secult (Governo do Ceará), gerida pelo IDM, desenvolveu o programa Cozinha Social, entre as atividades de formação e apoio a empreendedores sociais na área da alimentação.

Em 2020, representantes de 10 associações participam de aulas teóricas, tutorias e atividades práticas orientadas para a produção e distribuição de refeições para comunidades vulneráveis em diferentes regiões de Fortaleza. 64 mil refeições foram distribuídas, com o apoio da Escola também no fornecimento de alimentos, nos bairros Centro (pessoas em situação de rua), Bom Jardim, Serviluz, Pirambu, Antônio Bezerra, Tancredo Neves, Cidade dos Funcionários e Benfica.

A formação, que teve a consultoria e cooperação técnica da Gastromotiva, está sendo concluída neste mês de março e a Escola lança o movimento “Fortaleza sem fome” para que aqueles que puderem, colaborem com a continuidade das atividades das associações contempladas. Nas redes sociais e site da Escola, todas as associações estão listadas.

“Com o nosso suporte, os selecionados tiveram formação e apoio financeiro para produzir e distribuir marmitas em suas comunidades de atuação. Agora é hora da sociedade civil e empresas privadas se unirem a esses empreendedores sociais para que suas atividades tenham o suporte necessário para continuar”, afirma Selene Penaforte, superintendente da EGSIDB.

Lina Luz, coordenadora de Cultura Alimentar e Gastronomia destaca que realizar esse programa foi desafiador. “Em meio às adversidades da pandemia, fomos resilientes e reformulamos nossas atividades, migrando para cursos online e criando uma nova formação que atendesse a uma demanda preocupante da sociedade que é o aumento da fome”, diz.

Estão concluindo a formação, as cozinheiras sociais: Ana Lucia Fagundes (grupo espírita MEI MEI); Eloísa Vitória (União de Jovens do Vicente Pinzón); Neurilene Araújo (Associação É POSSIVEL); Larissa de Souza (Gentil Somos); Louise Beserra (Movimento Saúde Mental);  Josenilda Silva (Associação do Comércio Solidário do Pirambu);Zenilce Sousa (Associação dos moradores do Bom Jardim) e os cozinheiros sociais: Marcelo Matos (Centro de Formação Capacitação e Pesquisa Frei Humberto);Lucas Alves (SOS Periferia) e Olavo Júnior (Instituto João de Deus). Todos participaram de uma transmissão ao vivo aberta ao público, nessa segunda-feira, e apresentaram o planejamento de continuidade das atividades. Para conhecer melhor cada iniciativa, basta acessar o canal da Escola no youtube

Serviço: “Fortaleza sem fome” Para apoiar, os interessados devem entrar em contato diretamente com as associações e ver a melhor forma de colaborar, seja com doações de alimentos, produtos de higiene ou transferências financeiras. Conheça mais sobre os projetos: https://www.youtube.com/watch?v=acadBRtYDxI

Associação dos moradores do Bom Jardim | e-mail: associacaobj_bj@yahoo.com.brmariazenilce@gmail.com | Instagram: @ambjunidos

Associação dos Moradores do Bom Jardim desenvolve atividades desde março de 2020 no intuito de ajudar 240 famílias em situação de vulnerabilidade e isolamento social. A instituição atua no Bom Jardim.

Associação do Comércio Solidário do Pirambu | Telefone: (85) 98733-1421 ou (85) 99418-5114

A Associação do Comércio Solidário do Pirambu é uma instituição voltada para mulheres da comunidade que buscam capacitação e qualificação para se sustentar através do seu trabalho. A instituição procura amenizar os problemas dessas mulheres que foram excluídas do trabalho formal, dando orientação na área da gastronomia através de doações de quentinhas para moradores da comunidade. A organização atua nos bairros Comunidade Pocinhos, Dom Quintino e Pirambu. 

Associação É POSSIVEL | Telefone: (85) 98817-1368 | Instagram: @epossivel_

A Associação É POSSÍVEL atua na doação de marmitas a pessoas em situação de vulnerabilidade social. A organização atende aos bairros Centro (Praça do BNB e Praça do Ferreira), Tasso Jereissati, Aerolândia, Jardim das Oliveiras, Tancredo Neves e Caucaia. 

Centro de Formação Capacitação e Pesquisa Frei Humberto | Telefone: (85) 3051-3237 ou (85) 99901-7284 | Instagram: @centrofreihumeberto 

O Centro de Formação Frei Humberto é um espaço de formação, capacitação e pesquisa destinado a iniciativas ligadas a organizações comunitárias do campo e da cidade. Criado em 2006 por famílias das áreas de reforma agrária no Ceará, o espaço estimula e apoia trabalhadores e trabalhadoras nas mais diversas áreas de conhecimento cultural, científico, tecnológico, social e ambiental, buscando promover a cidadania e os direitos humanos, o avanço da democracia e a participação popular, fortalecendo a inclusão de mulheres, jovens, negros e negras, LGBTQI+, agricultores e agricultoras. A organização atua nos bairros Moura Brasil, Jacarecanga, Benfica e Centro.

Grupo Espírita Mei Mei | Telefones: (85) 9146-2230 ou  (85) 99125-7979

O principal fundamento é ressignificar vidas de pessoas em situação de risco e vulnerabilidade social através de programas de qualificação, apoio psicossocial e práticas educativas. O projeto atua nos bairros Centro, Cidade dos Funcionários e Tancredo Neves.

Gentil Somos | Telefone: (85) 98642-6300 | Instagram: @gentilsomos

GentilSomos é uma ação social que surgiu durante a pandemia, fornecendo refeições para moradores de rua. O projeto atua no Benfica e no Centro. 

Instituto João de Deus | Telefone: (85) 99986-8333 ou (85) 3235-4145 | Instagram: @institutojoaodedeus

O Instituto João de Deus tem o objetivo de atender com dignidade todas as pessoas que chegam à instituição, defendendo seus direitos, realizando trabalho de assistência, segurança alimentar, profissionalização e serviço de fortalecimento de vínculo. O projeto atua nos bairros Autran Nunes, Antônio Bezerra, Centro, São João do Tauape e Castelão.  

Movimento Saúde Mental | Telefone: (85) 99179-1396 | Instagram: @movimentosaudemental

Desenvolve vários projetos, entre eles a Escola de Gastronomia Autossustentável, com auto sustentabilidade garantida a partir de energia solar, abastecimento de água por poço e horta comunitária, além de oferecer apoio psicológico, atividades de arte, esporte e cultura e cursos de Jovem Aprendiz. Atuação nos bairros Centro, Bom Jardim, Mondubim e Maracanaú. 

União de Jovens do Vicente Pinzón | Facebook: https://www.facebook.com/Uniao-de-Jovens-do-Vicente-Pinzon-456723331165199/  | Instagram:  @uniaodejovensdovincentepinzon

A União de Jovens do Vicente Pinzon tem como objetivo levar melhoria para o bairro Serviluz, qualificando jovens e mulheres para o mercado de trabalho e incentivando crianças na cultura e na arte. O projeto atua nos bairros Serviluz, Praia do Futuro I e II e Vicente Pinzon. 

S.O.S Periferia | Telefone: (85) 99635-7677 | Instagram: @sos.periferia

O Instituto S.O.S Periferia contribui para a melhoria do bem estar social de crianças, famílias e LGBTs em alta vulnerabilidade social, por meio de formações, doações e parcerias. Realiza distribuição de refeições (marmitas e lanches), kits de higiene pessoal e de proteção ao vírus e promove o voluntariado nas comunidades Marrocos, Bom Jardim, Granja Lisboa, Granja Portugal, Parque São José, Siqueira, Jatobá, São Bento e Genibaú. 

Comentários

Comentários